POR MAIS CANAIS DE EXPERIMENTAÇÃO SENSORIAL ENTRE OS POROS & O COSMOS




Curritipidupapapadocustipado!
A linha patafísica que interessa a mim & à minha sombra é a linha do horizonte.
O oceano é o intérprete patafísico que mais saca a linha do horizonte. É bibliografia líquida. & perfumada.
O único amuleto na vida de um patafísico é o coração.
Patafísica de linha do horizonte, vagabundagem inspirada. Anarquia.
A Baía de Guanabara é muito parecida com a Baía de Guanabara. Isto não parece um coração batendo, isto parece o vento soprando.
Uma pérola na garganta de uma ostra. Uma garota dançando reggae na areia da praia.
O espaço aéreo de um bocejo de fim de tarde. Uma matrix de água. Patafísicas.
Gritos de êxtase na feira do cu. O carnaval é todo dia.
Quem foi que disse que você deveria ser feliz? Masque um chiclé, tome um chope, ligue para sua amiga. Estrelas mudam de lugar. & não se esqueça: alegrias! A Revolta não tem nada a ver com a verdade, mas com as excitantes possibilidades de fazer sexo tântrico com o espírito de sua época. Curritipidupapapadocustipado!
Quando o barão Mollet está montando um sanduíche com duas fatias de queijo, presunto, física, metafísica, patafísica & pepinos, está na verdade querendo dizer:

Salve Xangô
Salve Iemanjá
Mamãe Oxum, Nanã Buroquê
Salve Cosme & Damião
Oxóssi, Ogum
Oxumaré
Patafísica. Patafísica. Patafísica.
A nêntese é um epifenômeno preciso.
Lei número 1: cantar em voz alta no chuveiro. Todos os dias.
Da pândega à patuscada, & dela à farra & de lá pro fuá, depois da folia, direto pro pagode & pro samba, descansar na orgia & na poesia. Patafísica. Amanhã ainda é o terceiro dia. Banque seu jogo, criatura!
As ciências ocultas são um pôr do sol inesquecível para a mente. Resista, criatura!
& se a pegadinha fosse: a vida é um teste sonoro?
Paulo Bruscky continua sendo uma referência.
A festa é um café gostoso. Sol & lua. Tudototal!
Lei número 2: a Revolução Nordestina é uma alegria.
Um sorvete sabor alegria. Uma tarde de sol morno, o sabor alegria na ponta da língua & no vão entre os dedos.
As quatro estações no nordeste na verdade são três: verão & calor. VIVA A REVOLUÇÃO!
É zebra vaca véia!
Só, & apenas só, o Tempo pode ser rei, pois rasga fogo com os dentes.
A espiritualidade ancestral é uma das camadas do fôlego de todo ser patafísico vivente. A espiritualidade ancestral é uma Revolução. A espiritualidade ancestral é muito bem-vinda.
“Tempo Rei”, “Oração ao Tempo” & “Time”.
A rima é um voo de morcego pelas cavernas escuras da linguagem.
A Nova Era é a Revolta. Lírica, claro.
Favor se ligar que, à exceção do Tony Stark, ninguém é de ferro. Menos velocidade, criatura!
É necessário resistir ao presente ferozmente. Por isso: VIVA A CRIAÇÃO!
A Criação & a Revolução têm partes com os nossos poros. Por isso o Cosmos banca nossa fiança.
Os Ramones são uma banda. Os Ramones são também a maior & mais linda perfomance de nosso total fiasco existencial. Há muito barulho & distorção nos fiascos. & há alegria também!
Não confundir alegria patafísica com alegria mastercard. Não confundir cu com bunda, lembre-se.
Nós, patafísicos da era do Black Metal, queremos é avacalhar. Conexões, conexões, conexões.
Como diria Torquato Neto: não adianta matar o príncipe se não matar o princípio.
Quem aumenta seu conhecimento aumenta sua dor. Não acreditamos em rotina & odiamos o capitalismo. A dor é uma rotina capitalista. Portanto, o Eclesiastes está nota mil em matéria de porforice.
A licantropia como antídoto à selvageria capitalista. VIVA A ANARQUIA!
No deserto do real, a máquina de escrever é o oásis do poeta.
A poesia não pode ser bunda-mole. Se for, não é poesia, sacou?
Raimundo Soldado continua sendo uma referência.
A palavra marshmallow foi abolida imaginariamente do vocabulário dos patafísicos de linha do horizonte. A doçura é uma espécie de clave de sol. A palavra marshmallow foi ovacionada pela nossa realidade far west.
A palavra marshmellow tem o charme juvenil do Clube dos cinco.
A palavra marshmellow é muito louca.
Pelas polinizações cruzadas entre lábia & lábios.
Bruxos, sim! Todo patafísico de linha do horizonte é um bruxo.
Deletar da memória da linguagem, escrever um nome lindo na água.
A velha calça desbotada ainda é um paradigma válido. O clima é de guerrilha, mas o coração ainda se derrete ouvindo Roberto.
O coração é uma pulsante ilha-de-eleição.
Quando pintar aquela insônia, projetar nas suas pálpebras aquele beijo que descolou as placas tectônicas. Abrir o mar Vermelho das pálpebras & lá, anarquicamente, projetar-se de mãos dadas com o amor da sua vida. É isso que George Romero, que não acreditava em metáforas, quis dizer com seus apocalipses zumbis. Apocalipsis litteris.
Filar o gargurau na casa de um amigo não é apenas filar o gargurau na casa de um amigo. Não há mais poesia que no abraço.
Passar a mão na bunda do guarda, descer de barril as cataratas do Niágara, ler uma HQ escrita pelo Alan Moore, ver o fim de tarde mijar luz lilás no planeta. Patafísicas.
Poesia é quando uma pedra no meio do caminho se solta do calçamento & voa rumo às vidraças dos palácios – VIVA O COLETIVO P.U.T.O.!
Os patafísicos são putos. Em várias acepções.
Tesão, tesões. Pela livre iniciativa das imaginações amorosas que pavimentam os caminhos que permitem encontros & afetos. Boleros, flertes & beijos a granel. É o único momento em que o tempo para pra prestar atenção na gente.
Uma revolta popular é o momento mais erótico de todos – VIVA O COLETIVO P.U.T.O.!
Ocupar espaço. Chegar chegando. Ocupar espaço é sexy.
Por um carnaval permanente do espírito & da inteligência.
A teoria da poesia (despossessão) é transmissão escrita, a poesia (possessão posêidon exu-caveira) é transmissão oral.
Xamanizar os pores de sol, xamanizar a caligrafia, xamanizar a respiração, xamanizar a vida. Patafísicas.
Amor é quando a garota passa perfume & o garoto passa loção pós-barba & depois saem juntos para dar chêros um no outro. Patafísicas.
O amor é um xamã patafísico.
Ocupar espaço. Um poeta, parça, não se faz com versos. Muita gente já sacou.
Ninguém escapa. Na hora do aperreio, vampiro come chouriço.
É por isso que o céu de São Paulo é cor de Bosch.
Curritipidupapapadocustipado!
Existe, na mente de muitos patafísicos, a gangue imaginária do quarteirão oeste, Os Nuncas. Há uma espera grande na solidão d’Os Nuncas. A última vez que eu não vi um Nunca, ele estava com uma camiseta do Jorge Ben.
Por mil venenos do rato do gabirú, Carmencita!
Curritipidupapapadocustipado!
Apesar das controvérsias, Genésio é eterno!
A expressão patafísica curritipidupapapadocustipado (de origem andreense, coração de alcachofra do ABC paulista) pode ser traduzida por: Pode ser que um dia descobrirão que não serve pra bosta nenhuma. Mas não recue.
Curritipidupapapadocustipado, é bom que se explique woodyallenianamente, não é um neologismo, é um login para os dias onde agrava-se o agradável.
Frank Zappa continua sendo uma referência.
Estações de metrô, catracas de estações de metrô, são áreas de abraços, de beijos de chegada & de partida, portanto, são áreas de Revolução permanente! Ocupar espaço, sempre.
Zona Trash é troo. Vá na fé.
Stephen King é um mago. Barry McGuire também.
Curritipidupapapadocustipado!
A linguagem é uma patafísica esquisita.
O Zéfiro é patafísico.
& quando o Breton diz: são seus olhos, sobrancelhas de nuvens. Um céu lindo de estrelas. Não há mais patafísica no mundo que nisso!
Jamais esquecer: verdades são desinteressantes versinhos bonitos & sorridentes.
O Twisted Sister ainda vai dar o que falar.
Torquato Neto continua sendo uma referência.
Quando ouvir uma canção extraordinária, panssensorial, uma ilíada multilingue, anote o nome. Escreva algo como: “Que puta canção linda!” ou “Essa canção me entende”.
Eu & a minha sombra queremos mesmo é comer com coentro.
Eu & a minha sombra queremos mesmo é moqueca com pimenta.
Eu & a minha sombra queremos mesmo é cantar iê-iê-iê.
Eu & a minha sombra queremos mesmo voar de disco voador.
Eu & a minha sombra queremos mesmo é pecar debaixo do cobertor do lado baixo do Equador.
Eu & a minha sombra queremos mesmo é ler os poemas do Sergio Mello.
Eu & a minha sombra queremos mesmo é uma novela mística indomável, malaca, com partes com Deus, o diabo & Rimbaud.
Eu & a minha sombra queremos mesmo é a eternidade inteira de uma vez. Eternidades que nos acontecem quando ouvimos um samba lindo num fim de tarde num bar quase vazio perto do fim do mundo.
A tristeza é uma metáfora que só serve pra dar dor de cabeça & dar aquele amargor aqui ó. Saca?
Valamenossasenhora!
Hélio Oiticica continua sendo uma referência.
Curritipidupapapadocustipado!
Como diria o Porco Rosso, um porco que não voa é apenas mais um porco.
Quer dizer: isto não é um cachimbo, É MAGIA!
Se você não tá confuso então não tá entendendo nada.
Não tem jeito que dê jeito, portanto, sejamos loucamente felizes, afinal, a vida não dá de comer aos urubus & continua de boa jogando seu fliperama – no boteco da gosma do Cosmos.
Chêros.

(Dia de Samba-rock, amor & uma lua linda no céu da Desvairada, novembro de 2013)


Fabiano Calixto



http://4.bp.blogspot.com/-bGq9mjGnQj8/Vjppd2RIziI/AAAAAAAABPM/0ox-64C-y2s/s410/Cover.jpg